Quinta-feira, 4 de Dezembro de 2008

Novo blog

Link para o meu novo cantinho.... Espero lá por voces.
Obrigado por lerem os devaneios que escrevo.


publicado por sensei às 11:07

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 23 de Outubro de 2008

PORTUGAL

 

Começamos num condado
Que julgaram condenado
 
Tornamo-nos num país
Que criamos de raiz
 
Conquistamos cada palmo de terra
Fomos heróis em tempo de guerra
 
Descobrimos meio mundo
Com a certeza de não ir ao fundo
 
Tornamo-nos numa nação
Pela força da espada e do canhão
 
Hasteamos a nossa bandeira
Para alem da nossa fronteira
 
Expulsamos Mouros e Galegos
E tornamo-nos no pior dos seus medos
 
Marchamos contra os Bretões
E contra outras nações
 
Fomos grandes navegadores
Conquistadores e descobridores
 
Fomos grandes neste mundo
Antes de tudo ir ao fundo
 
De repente tudo perdemos
Liberalizamos e oferecemos
 
Tudo o que conquistamos
Também abandonamos
 
Onde esta o orgulho português
Eu não o vejo, será que tu o vês?
 
Onde está a alma lusitana
Onde anda o Afonso e aquela padeira bacana?
 
Hoje a todos nos rendemos
E a todos obedecemos
 
Até os tristes Galegos
Se riem dos nossos degredos
 
Onde anda a alma lutadora
Dos tempos da outra senhora
 
Onde está o espírito ganhador
Com que nos brindou o Senhor?
 
Hoje somos governados
Por países associados
 
Já foram a C.E.E.
E agora são a merda que se vê
 
Já não temos as barreiras
Nem sequer as nossas fronteiras
 
Já e tudo normal
Neste triste Portugal
 
Já não aprendemos português
É melhor aprender inglês ou francês
 
Aprender espanhol, se calhar
Porque qualquer dia é o que temos que “hablar”
 
Nas ruas já pouco português se fala
É mais criolo, brasileiro, inglês ou russo, o que nos embala
 
E para não falar do acordo ortográfico
Que mais nos vai tornar num país pornográfico
 
Porque sinto que todos somos enrabados
E continuamos a estar calados
 
Todos nos estão a invadir
Ou para cá estão a “fugir”
 
Aqui ninguém lhes faz mal
E para a cadeia não vão, só vão para o hospital
 
E aqui podem roubar e matar
Porque a policia não pode atirar
 
Que país é este em que estamos
Que país é este em que nos tornamos
 
Onde anda o espírito vencedor
Combativo, lutador?
 
Vamo-nos levantar
Contra os “Galegos” lutar
 
E contra todos os que nos tentam controlar
Pois somos nós que os temos que derrotar
 
Vamos levantar a nossa nação
Com a força que nos vem do coração
 
Vamos por Portugal lutar
E o nosso lugar reconquistar….
publicado por sensei às 13:53

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quinta-feira, 15 de Maio de 2008

Despeço-me de ti, AMOR

 

Dói-me a alma
De ver tudo terminar assim
Não consigo ter calma
Quando vejo que tu ditas-te o fim
 
O vazio no teu interior
O vazio a que me votas-te
Em mim causas-te muita dor
Essa dor que também tu já me sacias-te
 
De saber que já te tive
De saber que já te possui
De saber que em mim não te mantive
Mas acredita que não fui eu que fugi
 
O prazer que me deste
Quando na minha língua te senti
Quando forte te agarrei
É um momento que não esquecerei
 
O toque dos meus lábios em ti
O sentir do teu corpo
Os locais onde te possui
Esses locais de onde eu sai “torto”.
 
Porque teimas-te em terminar
Porque não nos amamos eternamente
Porque tinhas que acabar
Porque tinhas que acabar tão de repente
 
Custou-me, para aí um euro
Ter-te por breve instante
Tu que me transformas
Tu cerveja, meu amor distante
 
Agora foges de mim
Teimas em abandonar o meu corpo
Depois de me percorreres assim
Desde a boca, até quase ao escroto
 
Sais para não mais voltar
Desapareces nesse urinol
Misturada com a naftalina
Ou com pastilhas de mentol
 
Mas vai toda de uma vez
Leva até a ultima gota
Não me marques também as cuecas
Não te derrames na minha bota
 
Vai, amor infame
Vou-me entregar a outra bebida
Pois tu já não me excitas
Pois eu vou mudar de vida….

 

 

 

 

publicado por sensei às 11:16

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 24 de Abril de 2008

Mulheres

Por muitas mulheres sofri

Por elas eu corri

A todas desejei

A todas me entreguei

 

Foram donas, foram senhoras

Deste corpo que possui

Foram todas criadoras

Dos sentimentos que neste copo diluiu

 

Com os seus corpos brinquei

Nas suas curvas me perdi

Não foi a todas que amei

Mas a todas não resisti

 

Tive mulheres altas e baixas

Loiras, ruivas e morenas

Tive pretas, brancas, asiáticas

Tive até mulheres romenas

 

A nenhuma, eu, paguei

Só brincaram com o meu corpo

Por algumas me apaixonei

E nessa altura é que tudo deu para o torto

 

O que adiantou eu as amar

O que adiantou termos prazer

O meu coração tiveram o dom de despedaçar

Quando uma só eu desejei ter

 

Essas curvas encantadoras

Onde várias noites me perdi

São curvas de Senhoras

Por elas algo eu senti

 

Hoje, sozinho e amargurado

Vivo afogado neste copo

Sou um ser amargurado

Já não sou aquele ser maroto

 

As curvas que hoje procuro

São as curvas da viola

Não as curvas das mulheres

Já não me rejo por essa bitola

 

 

publicado por sensei às 15:50

link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
Terça-feira, 31 de Julho de 2007

Sem titulo- aceitam-se propostas pro titulo

Por mim passas-te

Naquele lindo jardim

Para mim olhas-te

E o amor nasceu assim.

 

Não sei o porquê

Nem porque não

Sei que em você

Eu via a Eva para o meu Adão.

 

Tudo em volta se transformou

Tudo em volta se coloriu

O paraiso se formou

E o meu coração por ti sorriu.

 

Lembro-me que não falamos

Lembro-me que só nos olhamos

Tu seguistes o teu caminho

Eu segui para o meu ninho.

 

Já era tarde naquela noite

Não conseguia dormir

Eu merecia um grande açoite

Por te ter deixado fugir.

 

Procurei no outro dia

Mas não te vi

Já não sabia o que fazia

Precisava mesmo de ti.

 

Já a esperança acabava

Já me tinha resignado à morte

Até que o vento me chamava

Uma vez que suprava de norte.

 

Para lá virei a cara

E na fila eu te vi

A tua beleza é tão rara

Com a tua beleza rejuvenesci.

 

Lembro-me de ter sentido a coragem

A subir dentro de mim

Só não sabia que abordagem

Eu poderia ter por fim.

 

Não me perguntes o que aconteceu

Só me lembro do final

Ainda hoje, na memória tenho um véu

Mas sei que não acabou mal.

 

Quando tudo se encaminhava

Para no paraiso vivermos

A serpente, bem malvada,

Injectou-nos muitos venenos.

 

Foi então que percebi

Que tudo tinha acabado

O que sentia por ti

Tinha que ser muito bem guardado.

 

Vi-te, entregue aquele rapaz

Numa noite marginal

Como foste tu capaz

De me guardar este final.

 

Agora, aqui, solitário

Com o ramo que era para ti

Pareço um otário

Mas que interessa, por dentro já morri.

 

Não sei se terei coragem

Ou mesmo desfaçatez

Para saltar desta barragem

Uma vez na vida sem timidez.

 

Prefiro terminar a minha vida

Que não te ter para mim.

Com vinte e cinco anos já é bem comprida

Prefiro termina-la assim.

sinto-me: fino
tags: ,
publicado por sensei às 10:43

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

.Relogio

relojes web gratis

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Novo blog

. PORTUGAL

. Despeço-me de ti, AMOR

. Mulheres

. Sem titulo- aceitam-se pr...

.arquivos

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

.tags

. todas as tags

.links

.Contador

clasificados
clasificados
blogs SAPO

.subscrever feeds