Quinta-feira, 4 de Dezembro de 2008

Novo blog

Link para o meu novo cantinho.... Espero lá por voces.
Obrigado por lerem os devaneios que escrevo.


publicado por sensei às 11:07

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 31 de Julho de 2008

Deixa-me desaparecer

 

Porque tudo parece errado
Porque tudo parece não bater certo
Porque tudo me parece empurrar para o deserto
Porque tudo me mete medo?
 
Houve uma altura em que lutei por ti
Onde me esforcei para te ter
Contra tudo e todos combati
E tu nunca me quiseste corresponder
 
Como podes agora voltar
Dizer que comigo queres ficar
Como podes sequer ousar me amar
Quando eu já estava a definhar?
 
Quero desaparecer
Ir para longe deste lugar
Não ter ninguém para ver
Não ter ninguém para falar
 
Quero desaparecer daqui
Procurar outro lugar
Talvez lá nunca sinta o que cá senti
Talvez lá possa recomeçar
 
Hoje que me curei das feridas que me fizeste
Hoje que já não luto com fantasmas
Hoje que consigo ser a amiga que pediste
É hoje que dizes que me amas?
 
Porque não te decidiste antes
Porque não me quiseste a teu lado
Porque é que não passamos de amantes
Porque não me fizeste sentir um ser amado?
 
Deixa-me agora desaparecer
Quero outro lugar
Não te consigo perceber
É isso que me está a magoar.
 
Como posso agora eu viver
Neste misto de emoções
Uma parte querendo-te ter
Outra, dando-me grandes sermões.
 
Como posso saber a verdade
Se realmente me queres e me amas
Ou se não é somente vaidade
E isto não é mais uma das tuas tramas.
 
Peço-te um favor
Vamos ser só amigos
Não vamos fazer amor
Não vamos sequer trocar mimos
 
Vamos deixar a poeira assentar
Depois podemos ver como estamos
Podemos até recomeçar
Mas desta vez a saber que nos amamos
 
Mas agora deixa-me ir
Deixa-me desaparecer
Pois ainda recordo o teu sorrir
E é essa a recordação que de ti quero ter
 
Também tenho alguém a entrar
Na minha vida, no meu coração
Alguém me está a tentar sarar
Estas feridas que ainda cá estão
 
Não te minto, nem te vou enganar
Não é ele a minha paixão
Mas está a fazer tudo para poder ocupar
Um espaço principal no meu coração
 
Mas não é por ele que te digo não
Eu quero mesmo estar sozinha
Quero curar o meu pobre coração
Quero faze-lo por mim, sozinha
 
Por isso quero desaparecer
Fugir, talvez para depois voltar
Talvez já em condições de te ter
Talvez para te reconquistar
 
Não e um adeus, é um até breve
E prometo não ter ninguém
Quando voltar pagas o café que me deves
E vemos se tudo pode ficar bem
 
Se por acaso arranjares um princesa
Só quero que sejas feliz
Que a trates com delicadeza
Que a trates como sendo o maior tesouro do país.
 
Mas agora deixa-me desaparecer
Preciso de me encontrar
Deixa o tempo correr
Deixa as feridas sarar
 
Deixa-me, não me amarres
Liberta-me da tua rede
Vou estar perdida nos rios e mares
Lembra-te de mim a cada copo que te mate a sede.

 

 

 

 

publicado por sensei às 14:04

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Quarta-feira, 28 de Maio de 2008

Fortuna?

 

De que me adianta ter olhos, se não consigo ver
De que adianta ter ouvidos, se não posso ouvir
De que adianta te conhecer, se não te posso ter
De que adianta te convidar, se tu não podes vir
 
Não me adianta ter dinheiro para gastar
Se não tenho ninguém para me acompanhar,
Ou ter uma casa enorme para morar
Se não há ninguém para a ocupar,
Ter um barco enorme para navegar
E não ter onde nadar,
Ter carros e motos para guiar
E não ter ninguém para o caminho me indicar.
 
De que serve a minha fama, se ninguém me ama,
Ou morar num castelo, se não gosto da cama.
De que serve o meu nome, se ninguém me chama,
Ou tudo o que eu faço, de que serve este drama?
 
De que serve a fortuna terrena e material
Se quem me espera em casa é um animal.
Ou de que me servem todas as mulheres
Se elas me dizem “paga se quiseres”.
Que fortuna tenho eu afinal
Que me deixa assim tão mal
Que me falta para eu ser banal
Que me falta para eu ser normal.
 
Tenho tudo o que todos querem ter
Mas não consigo ter o que eu quiser.
Pois não compro o que há de melhor
Que são as fortunas da companhia, respeito e amor.
publicado por sensei às 15:25

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quinta-feira, 15 de Maio de 2008

Despeço-me de ti, AMOR

 

Dói-me a alma
De ver tudo terminar assim
Não consigo ter calma
Quando vejo que tu ditas-te o fim
 
O vazio no teu interior
O vazio a que me votas-te
Em mim causas-te muita dor
Essa dor que também tu já me sacias-te
 
De saber que já te tive
De saber que já te possui
De saber que em mim não te mantive
Mas acredita que não fui eu que fugi
 
O prazer que me deste
Quando na minha língua te senti
Quando forte te agarrei
É um momento que não esquecerei
 
O toque dos meus lábios em ti
O sentir do teu corpo
Os locais onde te possui
Esses locais de onde eu sai “torto”.
 
Porque teimas-te em terminar
Porque não nos amamos eternamente
Porque tinhas que acabar
Porque tinhas que acabar tão de repente
 
Custou-me, para aí um euro
Ter-te por breve instante
Tu que me transformas
Tu cerveja, meu amor distante
 
Agora foges de mim
Teimas em abandonar o meu corpo
Depois de me percorreres assim
Desde a boca, até quase ao escroto
 
Sais para não mais voltar
Desapareces nesse urinol
Misturada com a naftalina
Ou com pastilhas de mentol
 
Mas vai toda de uma vez
Leva até a ultima gota
Não me marques também as cuecas
Não te derrames na minha bota
 
Vai, amor infame
Vou-me entregar a outra bebida
Pois tu já não me excitas
Pois eu vou mudar de vida….

 

 

 

 

publicado por sensei às 11:16

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 24 de Abril de 2008

Mulheres

Por muitas mulheres sofri

Por elas eu corri

A todas desejei

A todas me entreguei

 

Foram donas, foram senhoras

Deste corpo que possui

Foram todas criadoras

Dos sentimentos que neste copo diluiu

 

Com os seus corpos brinquei

Nas suas curvas me perdi

Não foi a todas que amei

Mas a todas não resisti

 

Tive mulheres altas e baixas

Loiras, ruivas e morenas

Tive pretas, brancas, asiáticas

Tive até mulheres romenas

 

A nenhuma, eu, paguei

Só brincaram com o meu corpo

Por algumas me apaixonei

E nessa altura é que tudo deu para o torto

 

O que adiantou eu as amar

O que adiantou termos prazer

O meu coração tiveram o dom de despedaçar

Quando uma só eu desejei ter

 

Essas curvas encantadoras

Onde várias noites me perdi

São curvas de Senhoras

Por elas algo eu senti

 

Hoje, sozinho e amargurado

Vivo afogado neste copo

Sou um ser amargurado

Já não sou aquele ser maroto

 

As curvas que hoje procuro

São as curvas da viola

Não as curvas das mulheres

Já não me rejo por essa bitola

 

 

publicado por sensei às 15:50

link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
Terça-feira, 25 de Setembro de 2007

Viver em Guerra

Procurei um lugar

Procurei um país

Procurei trabalhar

Procurei ser feliz

 

Saí da minha terra

Deixei tudo ficar lá

Parti para uma nova guerra

Parti com uma mente sã

 

O tempo foi passando

E eu forte fui ficando

O trabalho foi andando

E a saudade apertando

 

Tudo o que abandonei

Tudo o que para trás deixei

Ema mais forte do que o que conquistei

Era maior do que o que arrecadei

 

Neguei tudo isto

Não podia ser fraco

Dizia se feliz

Mas de mentir estou farto

 

Faz-me falta o meu pai

A minha mãe e o meu irmão

Da minha cabeça nunca sai

Que até hoje os abandonei em vão

 

Pouco ou nada consegui

Pouco ou nada conquistei

Tudo aquilo que aqui vivi

Até isso detestei

 

Ganhei várias batalhas

Mas a guerra ainda não acabou

Cometi muitas falhas

E abandona-los foi onde tudo começou

 

A imensidão do meu quarto

Que não é meu de verdade

É um quarto alugado

Nem nele estou à vontade

 

Mas nessa imensidão

Quando as luzes se apagam

As saudades e a solidão

Parece que por mim se propagam

 

Quantas vezes eu chorei

Agarrado à travesseira

Quantas noites em claro passei

Por não ter a minha mãe à beira

 

Quantas vezes quis desistir

E voltar ao meu lugar

Ou pensei em construir

Nesta terra o meu lar

 

Mas como posso eu

Um pobre de Deus

Conseguir um lar meu

Se no banco me perguntam “tem bens seus?”

 

Que posso eu responder

Eu nada tenho

Que poderia eu fazer

Penhorar o meu engenho?

 

Desde cedo que eu tento

Fazer algo em que seja feliz

Mas desde cedo que não tenho

Coragem para fazer o que sempre quis

 

Sonhei se arquitecto

Mas não me deixaram mudar de escola

Não por falta de afecto

Mas por falta de “bola”

 

Decidi abandonar

O desporto em que diziam ser bom

Para fazer sem pensar

O desporto do meu irmão

 

O andebol ficou

E no Judo tento singrar

Não porque não goste de andebol

Mas porque o meu irmão quero “animar”

 

Hoje percorro tapetes

Sem muita convicção

Num desporto que eu faço

Mas não por paixão

 

Paixão eu tenho ao meu irmão

À minha mãe e ao meu pai

Hoje nada mais faço por paixão

Hoje por paixão nada me sai

 

Tenho saudades de tudo

Quando era feliz

Quando o meu mundo

Era um mundo petiz

 

Abandonei a família

O Jorge e a Adília

Abandonei o meu irmão

David o campeão

 

Hoje nada tenho

E no buraco me afundo

Choro baba e ranho

Procuro o meu mundo

 

Quero um mundo só meu

Quero ter algo meu

Mas nem com o que ganho ainda deu

Para criar o mundo meu

 

Eu não posso almoçar

Nem sequer jantar

Na casa da mama

Para poder poupar

 

Trabalho tudo o que posso

Para ver se junto algum

Mas quando olho para o bolso

Vejo o bolso em jejum

 

Há quem tenha sorte

E ainda bem que é assim

Mas porque foge a sorte?

Porque foge a sorte de mim?

 

Tenho saudades

Tenho vergonha

Tenho vontades

Mas devo ter “pessonha”

 

Gostava de ter a ajuda

Que felizmente o meu irmão tem

Mas decidi abandona-los

E cá acabo por não ter ninguém

 

No entanto agradeço

A família que Deus me deu

Aos amigos que fiz

A força que cada um me deu

 

Tenho que lutar

Nesta guerra que estou a perder

Para pouco a pouco conquistar

Para pouco a pouco vencer.

sinto-me: Despido, nu
publicado por sensei às 14:22

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 24 de Agosto de 2007

Saudade da pianista

Esta é a história da pianista

Que tocava no bar da minha rua.

Esta é a história do pianista

Mas podia ser também a tua.

 

Lembro-me dos temas que tocava

No piano que no bar havia

Estava sempre a espera quando começava

E só quando acabava me ia.

 

Os dedos dela bailavam

Pelas teclas brancas e negras

Um som belo gritavam

Um som belo sem regras.

 

O som era livre como um pássaro

Que esvoaça pelo céu

Nos meus ouvidos entrava

O som que era só seu.

 

Lembro-me do seu lindo cabelo

Castanho, encantador.

Lembro-me dos seus lindos olhos

Verdes, como o jardim em redor.

 

As noites podiam ser frias

Ou mesmo quentes no verão

Mas eram sempre lindas melodias

Que saiam da sua mão.

 

Lembro-me de imaginar

Ao ouvir tamanha beleza

Eu sozinho a caminhar

Sobre as nuvens com leveza.

 

Nunca me satisfazia

Nem nunca me enjoava

Toda aquela melodia

Que o piano dela me dava.

 

Um dia ela não apareceu

E o tempo teimava em não passar

Mas no lugar que era só seu

Um homem ousou-se sentar.

 

Mas a musica não era a mesma

Não era tão cintilante

Faltava a musica dela

Faltava o seu semblante.

 

O tempo foi passando

Nunca mais por ali passou

Nunca mais o bar foi o mesmo

Nunca mais, da mesma maneira aquele piano soou.

 

Deixei de lá entrar

Porque muita era a tristeza

A saudade ocupava o meu coração

Saudade da sua musica e beleza.

 

Um dia ia eu a passar

Para me refugiar no meu quarto

Quando ouvi novamente soar

Aquela musica, da qual não me farto.

 

Entrei, seguindo o coração

Que com velocidade batia

Segui por entre a multidão

Procurei mas não a via.

 

O piano não estava

No sitio que devia estar

Mas o som continua

Por mim a chamar.

 

Vi-a resplandecente

No outro lado do bar

Aquele aspecto reluzente

Fez o meu coração parar.

 

Cheguei-me ao pé dela

Para a ver e ouvir melhor

Não que eu precisasse de revê-la

Pois eu conhecia o seu aspecto de cor.

 

Mas as feições eram tão diferentes

O cabelo não era seu

O aspecto um pouco deprimente

Muito parecido com o meu.

 

Perguntei que era feito dela

Que tinha saudades de a ouvir tocar

Se ela tinha regressado

Se ela voltava para todas as noites tocar.

 

Foi então que lhe correu

Rosto abaixo sem hesitar

Uma lágrima cristalina

Uma lágrima de azar.

 

Disse-me que me via todas as noites

Que ali actuava

Que nunca teve coragem

Para me perguntar como me chamava

 

Que tinha uma atracção por mim

Tal como eu por ela

Mas que estava a chegar o seu fim

A barca já esperava por ela.

 

Esta era a ultima vez

Que iria actuar

Ia deixar os palcos de vez

Para outro lado ia morar.

 

Mas que saudade me invadiu

O coração naquele momento

Foi ali que tudo ruiu

Foi ali que começou o meu tormento.

 

Perguntei se era casada

Ou se tinha namorado

Respondeu-me que era solteira

Que ele a tinha deixado.

 

Num ataque de amor

Pedi-a em casamento

Um sorriso, misturado com dor

Disse sim, com contentamento.

 

Mas alertou-me que não teria

Muito mais tempo neste mundo

Que um cancro a iria

Levar para bem fundo.

 

Não me importei com isso

E dois dias depois

Assumi o compromisso

Assumi que agora éramos dois.

 

Foram os 6 meses

Mais felizes da minha vida

E eu que podia ter pedido tantas vezes

Para ela ser a minha querida.

 

Tenho saudades desses tempos

Não só quando com ela vivi

Mas dos tempos dos concertos

Que eram maravilhosos, e eu ouvi

 

Hoje também os oiço

Não da mesma forma

Mas sempre que os recordo

A alegria ao meu coração torna

 

Hoje quando estou triste

E de tudo quero desistir

Lembro-me dos tempos dos concertos

Sinto a tristeza a sair

 

A pianista do bar da esquina

Partiu para nunca mais voltar

Mas a musica que ela tocava

No meu coração não parará de soar.

sinto-me: Bem
publicado por sensei às 10:43

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

.Relogio

relojes web gratis

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Novo blog

. Deixa-me desaparecer

. Fortuna?

. Despeço-me de ti, AMOR

. Mulheres

. Viver em Guerra

. Saudade da pianista

.arquivos

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

.tags

. todas as tags

.links

.Contador

clasificados
clasificados
blogs SAPO

.subscrever feeds