Quinta-feira, 4 de Dezembro de 2008

Novo blog

Link para o meu novo cantinho.... Espero lá por voces.
Obrigado por lerem os devaneios que escrevo.


publicado por sensei às 11:07

link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 28 de Maio de 2008

Fortuna?

 

De que me adianta ter olhos, se não consigo ver
De que adianta ter ouvidos, se não posso ouvir
De que adianta te conhecer, se não te posso ter
De que adianta te convidar, se tu não podes vir
 
Não me adianta ter dinheiro para gastar
Se não tenho ninguém para me acompanhar,
Ou ter uma casa enorme para morar
Se não há ninguém para a ocupar,
Ter um barco enorme para navegar
E não ter onde nadar,
Ter carros e motos para guiar
E não ter ninguém para o caminho me indicar.
 
De que serve a minha fama, se ninguém me ama,
Ou morar num castelo, se não gosto da cama.
De que serve o meu nome, se ninguém me chama,
Ou tudo o que eu faço, de que serve este drama?
 
De que serve a fortuna terrena e material
Se quem me espera em casa é um animal.
Ou de que me servem todas as mulheres
Se elas me dizem “paga se quiseres”.
Que fortuna tenho eu afinal
Que me deixa assim tão mal
Que me falta para eu ser banal
Que me falta para eu ser normal.
 
Tenho tudo o que todos querem ter
Mas não consigo ter o que eu quiser.
Pois não compro o que há de melhor
Que são as fortunas da companhia, respeito e amor.
publicado por sensei às 15:25

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quinta-feira, 15 de Maio de 2008

Despeço-me de ti, AMOR

 

Dói-me a alma
De ver tudo terminar assim
Não consigo ter calma
Quando vejo que tu ditas-te o fim
 
O vazio no teu interior
O vazio a que me votas-te
Em mim causas-te muita dor
Essa dor que também tu já me sacias-te
 
De saber que já te tive
De saber que já te possui
De saber que em mim não te mantive
Mas acredita que não fui eu que fugi
 
O prazer que me deste
Quando na minha língua te senti
Quando forte te agarrei
É um momento que não esquecerei
 
O toque dos meus lábios em ti
O sentir do teu corpo
Os locais onde te possui
Esses locais de onde eu sai “torto”.
 
Porque teimas-te em terminar
Porque não nos amamos eternamente
Porque tinhas que acabar
Porque tinhas que acabar tão de repente
 
Custou-me, para aí um euro
Ter-te por breve instante
Tu que me transformas
Tu cerveja, meu amor distante
 
Agora foges de mim
Teimas em abandonar o meu corpo
Depois de me percorreres assim
Desde a boca, até quase ao escroto
 
Sais para não mais voltar
Desapareces nesse urinol
Misturada com a naftalina
Ou com pastilhas de mentol
 
Mas vai toda de uma vez
Leva até a ultima gota
Não me marques também as cuecas
Não te derrames na minha bota
 
Vai, amor infame
Vou-me entregar a outra bebida
Pois tu já não me excitas
Pois eu vou mudar de vida….

 

 

 

 

publicado por sensei às 11:16

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 6 de Março de 2008

DESCARTÁVEL

Hoje senti-me mal

Hoje senti-me sujo

O que sou eu afinal

De que realidade eu fujo

 

Ninguém me conhece

Nem sabem quem sou

Toda a gente me esquece

E ninguém sabe onde estou

 

Desculpem, é mentira

Todos sabem onde me encontrar

Era uma tirania

Se o inverso eu fosse pensar

 

Toda a gente me procura

Nas alturas de solidão

Quando a dor é nua e crua

Quando precisam de uma opinião

 

No meu ombro já derramaram

Lágrimas de amor

Ás minhas vestes já limparam

Corações feridos de dor

 

Fui confidente de lamúrias

De desentendimentos e abandonos

De pecados e injurias

Eu fui a força de muitos cornos

 

Mas gostava de ser procurado

Um único dia qualquer

Para me ser perguntado

Se eu estava bem, ou qual o meu querer

 

Mas hoje sinto-me pior

Porque me ofereci

Para ser o condutor

E um não eu recebi

 

Ofereci-me para transportar

Alguém a algum lugar

Mas teve o dom de me descartar

E a ajuda de outro aceitar

 

Eu que pensei que era querido

Por quem me descartou

E agora estou ferido

E o sangue de brotar ainda não parou

 

Sou só reconhecido

Quando precisam de ajuda

Sou só um ser vivo

Quando me pedem ajuda

 

Porque eu vivo na sombra

Vivo na escuridão

Sou um ser, uma cobra

Que vive na solidão

 

Procurado unicamente

Para a pele me tirar

E o final, sempre deprimente

Nunca contem a palavra amar

 

Opiniões, consolo

Até mesmo sexo

Eu só posso ser um tolo

Para viver esta vida sem nexo

 

Não sou bom ouvinte

Nem sequer bom amante

Não sou de dar opiniões

Sou um simples ser errante

 

Porque é que só me procuram

Quando precisam de ajuda?

Sou tão mau assim?

Isto me deixa “una duda”

 

Sou um ser descartável

Usado e deitado fora

Sou um ser miserável

Que só sirvo para o prazer na hora

 

Sou um ser descartável

Que ninguém quer amar

Pois todos me acham fiável

Mas somente para me usar.

publicado por sensei às 13:41

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

.Relogio

relojes web gratis

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Novo blog

. Fortuna?

. Despeço-me de ti, AMOR

. DESCARTÁVEL

.arquivos

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

.tags

. todas as tags

.links

.Contador

clasificados
clasificados
blogs SAPO

.subscrever feeds