Quinta-feira, 4 de Dezembro de 2008

Novo blog

Link para o meu novo cantinho.... Espero lá por voces.
Obrigado por lerem os devaneios que escrevo.


publicado por sensei às 11:07

link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 11 de Junho de 2008

Angustia

 

Hoje sou um ser perdido
Que não sabe para onde se virar
Sou como um cão vadio
Que passa o tempo a vadiar.
Sou um gato vagabundo
Sem vidas para gastar.
Um pássaro retido
Sem espaço para voar
 
Sou o que nunca sonhei ser
Alguém sem hipótese de mudar
Eu que sempre sonhei que iria vencer
E que agora me contento com ganhar.
 
Sou a bola no ferro
Que ficou por entrar
Sou um vento agreste
Que todos faço arrepiar
Sou a chuva fria
Que teima toda a gente molhar
Sou um vadio
Que não tem onde ficar
 
Sonhei que ia vencer
Sonhei que ia singrar
Sonhei que algo eu iria ter
Sonhei que algo iria conquistar
 
Mas habituei-me unicamente a ganhar
Sem procurar vencer
Fiquei-me pelo tentar
Nunca passei para o querer
 
Tentei ser alguém na vida
Mas saí sempre vergado
Tentei curar toda e qualquer ferida
Mas fui eu que fui desinfectado
 
Hoje vivo de caridade
De alguém que me dá um tecto
Hoje vivo desejando
Um pouco mais de afecto
Vivo com medo de não vencer
Com medo de não ser correcto
Vivo unicamente por viver
Vivo com medo de para sempre ficar quieto
 
Se calhar era a solução
Era o que devia fazer
Não incomodar mais ninguém
Não fazer ninguém sofrer
Pegar num simples cordão
E usa-lo para me suster
Para não encher sequer um pulmão
Para o coração parar de bater….
publicado por sensei às 19:30

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Quarta-feira, 28 de Maio de 2008

Fortuna?

 

De que me adianta ter olhos, se não consigo ver
De que adianta ter ouvidos, se não posso ouvir
De que adianta te conhecer, se não te posso ter
De que adianta te convidar, se tu não podes vir
 
Não me adianta ter dinheiro para gastar
Se não tenho ninguém para me acompanhar,
Ou ter uma casa enorme para morar
Se não há ninguém para a ocupar,
Ter um barco enorme para navegar
E não ter onde nadar,
Ter carros e motos para guiar
E não ter ninguém para o caminho me indicar.
 
De que serve a minha fama, se ninguém me ama,
Ou morar num castelo, se não gosto da cama.
De que serve o meu nome, se ninguém me chama,
Ou tudo o que eu faço, de que serve este drama?
 
De que serve a fortuna terrena e material
Se quem me espera em casa é um animal.
Ou de que me servem todas as mulheres
Se elas me dizem “paga se quiseres”.
Que fortuna tenho eu afinal
Que me deixa assim tão mal
Que me falta para eu ser banal
Que me falta para eu ser normal.
 
Tenho tudo o que todos querem ter
Mas não consigo ter o que eu quiser.
Pois não compro o que há de melhor
Que são as fortunas da companhia, respeito e amor.
publicado por sensei às 15:25

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quinta-feira, 15 de Maio de 2008

Despeço-me de ti, AMOR

 

Dói-me a alma
De ver tudo terminar assim
Não consigo ter calma
Quando vejo que tu ditas-te o fim
 
O vazio no teu interior
O vazio a que me votas-te
Em mim causas-te muita dor
Essa dor que também tu já me sacias-te
 
De saber que já te tive
De saber que já te possui
De saber que em mim não te mantive
Mas acredita que não fui eu que fugi
 
O prazer que me deste
Quando na minha língua te senti
Quando forte te agarrei
É um momento que não esquecerei
 
O toque dos meus lábios em ti
O sentir do teu corpo
Os locais onde te possui
Esses locais de onde eu sai “torto”.
 
Porque teimas-te em terminar
Porque não nos amamos eternamente
Porque tinhas que acabar
Porque tinhas que acabar tão de repente
 
Custou-me, para aí um euro
Ter-te por breve instante
Tu que me transformas
Tu cerveja, meu amor distante
 
Agora foges de mim
Teimas em abandonar o meu corpo
Depois de me percorreres assim
Desde a boca, até quase ao escroto
 
Sais para não mais voltar
Desapareces nesse urinol
Misturada com a naftalina
Ou com pastilhas de mentol
 
Mas vai toda de uma vez
Leva até a ultima gota
Não me marques também as cuecas
Não te derrames na minha bota
 
Vai, amor infame
Vou-me entregar a outra bebida
Pois tu já não me excitas
Pois eu vou mudar de vida….

 

 

 

 

publicado por sensei às 11:16

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 23 de Agosto de 2007

Regresso ao presente

São dez da manhã de domingo

E eu sem nada para fazer

Procuro no parque um sítio

Onde me possa perder.

 

Ao meu lado, um velho sentado

Com um cheiro a álcool e suor

O olhar perdido no espaço

Uma cara rasgada de dor.

 

É então que percebo

Que a vida que tenho

É um mar de rosas

E que de um berço de ouro eu venho.

 

Ouço a musica ecoar

Dentro do meu coração

Vejo a esperança desabrochar

Mostrando que melhores tempos virão

 

É que eu no final

De nada me posso queixar

 

São dez da manhã de domingo

E encontrei a sorte

A força que trago comigo

A força que me afasta da morte.

 

Porque houve tempos

Em que preferi morrer

Mas depois vieram ventos

Que me fizeram renascer.

 

Essa alma que se sentou

Comigo naquele Domingo

Não imagina como me ajudou

A retomar o caminho.

sinto-me:
tags: ,
publicado por sensei às 12:44

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Novo blog

. Angustia

. Fortuna?

. Despeço-me de ti, AMOR

. Regresso ao presente

.arquivos

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

.tags

. todas as tags

.links

.Contador

clasificados
clasificados
blogs SAPO

.subscrever feeds