Terça-feira, 18 de Setembro de 2007

Noite de Prazer

Os teus lábios de veludo

Tocaram nos meus

Esse teu toque carnudo

Fez-me bradar aos céus

 

A tua língua inquieta

A descobrir a minha boca

A tua língua inquieta

A sair da sua toca

 

A tua boca hoje sabe

A gelado de caramelo

Esse saber que abre

Caminho para o duelo

 

Os nossos lábios unidos

As nossas línguas a batalhar

Os meus olhos bem fechados

Para te conseguir saborear.

 

A minha boca descola

Numa viagem pelo teu pescoço

Nas tuas orelhas se enrola

A minha língua com gosto.

 

Vou distribuindo beijos

Entre o teu pescoço, orelhas e cara

Vai aumentando o desejo

De possuir a tua beleza rara.

 

Mudamos de papéis

Agora és tu a exploradora,

A senhora dos anéis,

Ou uma selvagem devoradora.

 

As minhas mãos também viajam

Entra as nádegas e o teu peito

Numa viagem interminável

Que terminar eu não vejo jeito

 

O toque dos teus dedos

Vai percorrendo o meu corpo ao de leve

Não sei se por teres medo

Ou para não deixares rasto na neve.

 

O teu cheiro que aspiro

Num misto de tabaco e perfume

É esse odor que respiro

Que me dá forças para chegar ao cume.

 

Que marotos os meus dedos

Que desabotoam a tua blusa

Querendo desvendar os segredos

Que guardas em ti, minha musa.

 

A cada botão que desaperto

O desejo em mim aumenta

O teu corpo vai ficando descoberto

E o meu coração quase rebenta.

 

Finalmente lá caiu

O primeiro bastião

A blusa lá saiu

A blusa foi para o chão

 

Parece que tu não queres

Que eu fique a ganhar

Pressa pareces ter

Para a minha t-shirt tirar.

 

Os teus seios tão belos

Tão firmes e perfeitos

Como eu adoro vê-los

Imaculados, sem defeitos.

 

Vou beijar o teu peito

Que reluz à minha frente

Vou tirando o soutien

Que desaparece de repente

 

Mas que obras de arte

Os teus peitos empinados

Como foi possível criar

Esses peitos tão delicados

 

Cobro-os de beijos

Carícias e lambidelas

Crescem em nós os desejos

Enquanto viajo por “elas”.

 

Afasto-me das tuas mamocas

E vou descendo o teu corpo

Cada vez mais longe dessas bombocas

Cada vez mais perto do meu horto.

 

Desaperto o botão

Enquanto beijo a tua barriga

O fecho abro com prontidão

Chega-me a lufada da tua “amiga”

 

Um para o chão

O outro também

Deitada no colchão

Saem os sapatos dos teus pés, meu bem.

 

As calças deslizam

Pelas ancas e pernas

No chão são deixadas

Agora sinto as tuas pernas

 

Que pele suave

Que pernas tão bonitas

Que aroma tão suave

Vem de entre essas pernas benditas.

 

Puxas-me para cima

Quando ao tesouro ia deitar mão

Empurras-me para o lado

E prostrado, fico eu no colchão.

 

Agora és tu que desapertas

As calças que eu tenho

Com calma, se não despertas

O monstro do engenho

 

Ele já à muito despertou

Mas continua enclausurado

Dos boxers não saltou

Mas parece já preparado

 

Lá se vão os sapatos

E as calças a seguir

Com o teu ar de felina

Lá começas a subir

 

Paras nos meus boxers

Como me querendo provocar

Sinto no meu sexo

O teu leve respirar

 

A tua mão acaricia

Com cuidado, mas com firmeza

O brinquedo que ali crescia

E se erguia com dureza.

 

Finalmente a luz do dia

Para o órgão enclausurado

Ele que pensava que iria

Ao abandono ser votado.

 

Que quente

Que delicada

Que húmida

Essa boca recatada

 

De beijos o encheste

Na tua boca desapareceu

Que sensação me crias-te

Nesta minha viagem ao céu.

 

Não aguento mais

Vou explodir

Isto é bom demais

Mas tenho que resistir.

 

Agora é a minha vez

De saborear o meu tesouro

Esse tesouro que tu tens mulher

Esse que não é feito de ouro.

 

Beijo o meu tesouro

Sobre as cuecas tão lindas

Um odor melhor que odor a ouro

Dá-me logo as boas vindas

 

Afasto as cuecas

Para poder observar

Que beleza ali se esconde

Que vontade de a beijar

 

As cuecas, como que por magia

Desaparecem do teu corpo

Eu quase que juraria

Que ou sonhava ou estava morto.

 

É que só lá no céu

Se pode ver algo de tão bonito

Talvez tapado por um véu

Talvez perdido naquele infinito

 

Começo a beijar

O meu horto de flores

Começo a sentir-te latejar

Começo as saborear os teus odores.

 

A minha língua vai brincando

Com o teu botão

O meu dedo vai entrando

Na tua escuridão

 

Sinto que estás a gostar

Sinto que estás a sentir

Sinto que te posso fazer delirar

Sinto que te posso fazer o orgasmo atingir.

 

Os teus gemidos enlouquecem-me

Fazem com que eu queria mais

Cada vez que os vais soltando

O desejo, em mim, cresce mais.

 

Pedes para que juntemos

Num único baú

O teu tesouro e o meu

Numa dança do Homem nu.

 

Foi a união perfeita

Não podia ser melhor

Foi a união perfeita

Vivida com fervor.

 

Percorremos todo o kamasutra

Percorremos os nossos corpos

Alimentamos os desejos

Até que eles ficassem mortos

 

Vimos as estrelas

Explodir de alegria

Vimos flores muito belas

Dançar como a muito eu não via

 

Viajamos quilómetros

Sem sair do lugar

No final os nossos corpos

Estavam no mesmo lugar

 

O suor escorria

Dos corpos desnudos

Os corpos cheios de alegria

E nós ofegantes e mudos

 

Chegas-te lá

Atingis-te o orgasmo

Pergunto eu envergonhado

Um pouco ainda no marasmo.

 

Dizes-me que sim

Mais que uma vez

E isso cria em mim

Um sentimento de altivez

 

Tive prazer redobrado

Porque consegui lá chegar

Será que a tirei levado

A também ela gostar?

 

Espero que sim

Porque se o orgasmo não atingiu

A ejaculação que eu tive no fim

Para mim de nada serviu

 

Mas acredito que tenha atingido

O prazer mais puro

As carícias que depois trocamos

Maravilhoso, voltou a pôr-me duro.

 

 

 

Obrigado a todas as mulheres que fizeram e fazem parte da minha vida. Para mim são a maravilha do mundo numero 1. Sei que a experiencia não é muita, podemos mesmo dizer que é nenhuma, mas espero que tenha conseguido, através dos filmes porno que vi, traduzir uma noite de sexo e paixão.

 

Beijinhos e abraços.

 

É verdade, eu continuo virgem e não é de signo..

 

sinto-me: Embergunhado
publicado por sensei às 10:49

link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
Sexta-feira, 14 de Setembro de 2007

SONO

Tenho sono

Quero dormir

Deixar o meu ser vaguear

Deixar a minha alma ir

 

Tenho sono

Preciso de descansar

Não aguento tanto tempo

Acordado a espera de te ver chegar

 

O sono já me invadiu

De uma maneira letal

A minha cabeça fugiu

Para ou plano astral

 

Tenho sono

Tenho os olhos a fechar

Um peso no meu peito

Que me dificulta o respirar

 

Tenho sono

Nada ouço ao meu redor

Nesta cama tão grande

Espero por ti amor

 

Tenho sono

Mas não consigo dormir

Não consigo tirar da ideia

A imagem de nós dois a discutir

 

Tenho sono

Mas não durmo sereno

Tenho medo que a guerra

Também invada o meu terreno

 

Tenho sono

Mas não durmo

Também não acordo

Mas tenho sono

publicado por sensei às 14:15

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 11 de Setembro de 2007

A Desconhecida

Troquei um numero

E para ti mandei a mensagem

Quando recebi a tua chamada

Pensei que fosse uma miragem.

 

Como poderia eu

Ter o numero mal anotado

Como poderia eu

Para ti ter a mensagem enviado

 

Logo no primeiro telefonema

Tivemos tempos a falar

Digo-te que senti pena

Ter que desligar

 

A tua voz doce me embalava

O coração no meu peito

A nossa conversa rolava

Sempre dentro do maior respeito.

 

Ficamos os dois abismados

Com tão insólito acontecimento

Rimos durante algum tempo,

Rimos de espantamento.

 

Ficas-te com o meu contacto

Que ao menseger adicionas-te

No fim de semana nada disseste

Só na segunda me ligas-te.

 

Falamos na internet

E ao telefone tambem

Falamos muito tempo

E com isso sentime bem...

sinto-me: Embergunhado... lol
publicado por sensei às 10:44

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quinta-feira, 9 de Agosto de 2007

PUTAS...

Prostituta, que na estrada trabalha

Num bordel alterna

Mas vai com quem calha.

 

Prostituta, que tantos homens satisfazes

Tantas mulheres superas

E parece que nada de bom trazes.

 

Prostituta, que esvazias tantos colhões

Que fantasias realizas

De jovens e anciões.

 

Prostituta, que trabalhas sem cessar

Quer chova quer faça sol

Na beira da estrada vais estar.

 

Prostituta, tu que regressas ao teu lar

No teu quarto sozinha

Ficas sem ninguém verdadeiramente para te amar

 

Prostitutas, vós que não podeis ter férias

Trabalhais de sol a sol

E ainda dizem que sois galdérias.

 

Prostituta, meretrice ou meretriz

Com tanto que suportas

Como consegues ser feliz?

 

Prostituta, Cortesã ou Rameira

Sexo para ti é em todo lado

Na estrada, na cama ou na eira.

 

Prostituta, Michela ou Marafona

Os homens só te utilizam

Vendes-te toda, da alma até á cona.

 

Prostituta, Concubitata ou Messalina

Tambem entre vós há classes

Desde a prostituta reles até à prostituta fina.

 

Prostituta, Cróia ou Cocote

O teu traje é sempre o mesmo

Mini-saia e camisola com grande decote.

 

Prostituta, Dadeira ou Mundana

O teu objectivo de vida

Não é muito mais que amor e uma cabana.

 

Prostituta, Fusa ou Rascoa

Sais sempre para a rua

Mesmo que o teu coração doa

 

Prostituta, Rascoeira ou Puta

Dentro deste mundo cão

Deves ser das que mais luta.

 

Prostituta, ou seja lá o que te chamam

Assumes o que fazes

Finges que os homens te amam.

 

Prostituta, uma estátua merecias

Para inspirar muita gente

Muita gente de almas vazias.

 

Ser Humano, Será que não entendes

Que dentro de vós

Também uma prostituta tendes.

 

Todos se vendem, de diversas maneiras

Pode não ser só sexo

Mas todos somos Rameiras.

 

Uma opinião vendida, uma tarefa a contra-gosto

Isto não será pior

Que uma Puta que se vende no seu posto?

 

Eu, tu e toda a gente,

já nos vendemos um dia

Não é certamente

Por isso que te vão chamar de vadia.

 

PROSTITUTA, Meretrice, Cortesã, Rameira, Puta,

Porque é que há muita gente que pensa que esta mulher não luta?

Michela, Concubitata, Marafona, Messalina, Fusa,

Mais que não seja luta para que o homem recupere a tusa.

Cróia, Cocote, Dadeira, Mundana, Rascoa, Rascoeira ou Meretriz,

Eu só gostava de poder dizer que qualquer uma destas mulheres "Da Vida" é feliz...

sinto-me: BEM
publicado por sensei às 11:38

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Sexta-feira, 3 de Agosto de 2007

Sexo e Amor

Podemos dizer

Que sexo é foder

E que podemos realizar

Em qualquer lugar

 

Para mim é muito mais

Para mim é muito melhor

Que golos fenomenais

Que um golo ganhador

 

Podemos explicar

O sexo a brincar

De varias maneiras

Todas elas verdadeiras

 

Um adepto de futebol

Pode comentar

Que o sexo é como a festa

Quando a equipa em campo está a entrar.

 

Mas para explicar bem

Tenho que referir

Que ainda há quem

O considere como um livro abrir

 

Tem o seu que de intriga,

Paixão e romance

Tem o seu que de fadiga,

Suor e suspense

 

Será que no final

O objectivo vamos atingir

Será que afinal

O orgasmo foi a fingir?

 

Mas e se for um lutador

Que se magoa a lutar

Será que ele sente amor

Ou sexo para ele é só mesmo pinar?

 

Todos nós temos cá dentro

Um orgão que se chama coração

Pequeno ou grande não interessa

Interessa é conter a paixão.

 

A paixão que precisamos

Para o sexo transformar

Em coisas que nos pensamos

Que só há nos contos de encantar.

 

Essa coisa é um sentimento

A que chamam de amor

Que nos atinge como o vento

Mas nos possui com fervor.

 

Eu sexo posso fazer

Com mulheres e mulheres sem fim

Mas amor sei que se o quiser ter

Vou ter que o procurar em mim.

 

Vou ter que ouvir

O que o coração disser

Vou ter que seguir

Para a beira de quem ele quiser

 

É que nisto do amor

Mesmo quando tamos baralhados

Temos cá dentro um "computador"

Que ainda mais nos deixa atrapalhados.

 

Com muito que pensemos

Qual de duas belas escolher

Sei que qualquer escolha que fizermos

Uma delas vai sofrer.

 

O amor é mesmo assim

Muito diferenteo do sexo

O amor nunca tem fim

O sexo pode não ter nexo.

sinto-me: palhaceiro
publicado por sensei às 15:52

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Novo blog

. PORTUGAL

. auto-retrato estérico

. Reencontro

. Acabou, adeus....

. Despeço-me de ti, AMOR

. Corre o Risco

. Mulheres

. Magoaste-me....

. Tempo de infancia passada

.arquivos

. Dezembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

.tags

. todas as tags

.links

.Contador

clasificados
clasificados
blogs SAPO

.subscrever feeds